Crônica do dia dos namorados, o deus heteropatriarcal e outras engenharias

12/06/2019 20:46

Conclusão do dia dos namorados do corrente ano foi esconjurar o deus cristão e heteropatriarcal e ser chamada de intolerante por uma pessoa das ciências exatas, pasmem! Hoje também esconjurei a objetificação à mulher! Tratada ainda como se fosse uma coisa. Relação de compra, propriedade! O poder capital heteropatriarcal que subjuga mulheres historicamente. Fazendo-as mulherzinhas. E a modelagem em ser mulherzinha e tolerante com esse tipo de sociedade cristã, heteropatriarcal, castradora e desigual com o ser feminino e sua sexualidade vem até mesmo de outras mulheres que reproduzem machismo justamente por muitas serem vítimas! Reféns dessa estrutura. Amarradas. Dependentes. E que acabam até achando certo que não se deve criticá-los! Pois isso faz parte da diversidade na cabecinha delas sem um pingo de reflexão crítica referente às ações dessa estrutura de fé paternalista falida e incoerente que oprime justamente o que essas chamam de diversidade. E pior não pensa se quer sobre os modelos de sociedades matriciais milenares muitas mais justas e diversas do que o “deus bom” do heteropatriarcado que paga as contas, passagens, carona de carro , dar presente para suas “tidas” mulheres em prol da tolerância delas e conivência ao machismo do “pão/padre nosso de cada dia”. E assim o machado do patriarcado opressor, com pouco amor, geralmente homofóbico, lesbofóbico e sem tesão nenhum em seus matrimônios se mantém no poder institucional e/ou privado com suas bonecas emperucadas da tolerância.