Ode à Rosa Exu

24/08/2017 01:24

Ora, menina moça

Em altas horas, mulher anciã.

Guardiã que me guia

Inspira...

Vento que me acalma

E que me descompensa

Equilibra.

Feiticeira lunar,

Sombra que me vigia

Da face misteriosa

Faz seu fundamento

Encoberta no veludo

Do seu capuz vermelho

Esvai-se no ar.

Ultrapassa muros.

Abre suas cartas.

Embaralha,

Corta,

Une,

Você não sabe quem Ela é

Nem viu o que Ela viu

Lá no meio do cruzeiro

Ou da estrada

Ela é o naipe de espada.

Mas em dia de Exu

Dança com seu bastão

Em sua copa de ouro

Em pé de igualdade com seu cão.

É Ela a Boa Sorte.

Das entre vidas e mortes...

Fica a interrogação.

De um mistério em revelação.

Talvez...