O GUARDIÃO DA MEIA NOITE

11/12/2016 13:15

 

Em uma das minhas viagens oníricas, preparando-me para adentrar na espaço nave do útero universal, quando me despindo da minha alma tempestiva na serenidade da minha morte noturna de rosa sonolenta, esvaindo a polaridade Yin, eu me reencontrei, a minha outra face paradoxal, não era dia ainda, mas também não era noite. Na penumbra do quarto, eis que me surge com uma cartola na cabeça, esbelto, alto, olhar penetrante, trazia no olho direito um monóculo, como se fosse um cavalheiro da era vitoriana, estava a me observar, avaliava... A veracidade é o valor que se procura sobre o que não está à venda. E acima dele no infinito intocável, a criatriz maior o vigiava e nos guardava num grande equilíbrio cósmico, sentir o seio direito...despertei.