EXU E A UMBANDA

23/08/2014 17:04

POR ALANNA SOUTO

Faz um tempo que não escrevo um texto sobre umbanda talvez pela fase fixa em algumas metas específicas da minha vida que tem me tomado o tempo pra escrever sobre o tema e outros mais, ou ainda, de forma, mais in-consciente uma inquietude espiritual em torno da criação, o criador, o ser humano, a religião e o livre-arbítrio tem estilhaçado a mente e alma de quem valoriza com toda força a liberdade e autonomia de pensar por si mesmo. Ou talvez naquela famosa elucidação sartriana que diz assim como todos os sonhadores, posso está confundindo o desencanto com a verdade ou finalmente descobrindo o tesouro, re-significando o passado, o presente e futuro numa espécie de efeito borboleta.

Contudo jamais deixando de lado a conexão cabalística, a meditação com aquele e somente Ele das formas mais misteriosas nos escuda, transforma e liberta, se for de nossa vontade. NINGUÉM MAIOR que essa inteligência única/uma/pater/mater que implodiu no espaço sideral culminando na formação de diversas galáxias, planetas, astros, estrelas e desse amontoado de moléculas que é a criatura humana. Os ateus chamam Big Bang, outros chamam de D`US, os cabalistas decodidificam em 72 nomes, sendo o tetragrama a chave do verdadeiro nome e os umbandistas chama de Olurum ou Tupã, dependendo da vertente.

De todo modo o que me remeteu a pensar sobre O TUDO E O NADA nesse exato instante foi o documentário chamado “O que é umbanda?” o qual tem a participação de um estudioso, pesquisador, cientista da religião e, também, sacerdote da umbanda o já conhecido e muito querido, Alexandre Cumino, por suas intervenções tão sérias e ao mesmo tempo suaves em transmitir, esclarecer e combater o preconceito sobre essa religião anárquica chamada Umbanda sagrada, sem perseguir e denegrir qualquer outra religião, sem desmerecer e distorcer fundamentos milenares de outras culturas e por fim sem personalismo e totalitarismo de uma única verdade.

E já que estamos na semana de Exu, essa emanação divina tão enxovalhada pelo senso comum, historicamente perseguida pelo cristianismo fundamentalista e vítima da ignorância humana, justíssimo, portanto, o colocarmos no bojo dessa reflexão no sentido de orientar e desmitificar os rastros do fanatismo em seu encalço, assim como foi feito nas palavras de Cumino e do outro sacerdote entrevistado na película.

O arquétipo EXU no pateão africano traz como grande simbologia a virilidade, não à toa nessa cultura em um dos seus monumentos é representado pela genitália masculina, logo sendo incompreendido pela cristandade e marginalizado pelo imaginário popular em diabo e inferno que herda dos tempos coloniais as distorções de uma cultura.

EXU, obviamente, não é nada disso, a investigação sobre seu real significado leva ao buscador do conhecimento a descoberta de uma divindade mais familiarizada com ser humano, o Sr. das ruas, o companheiro, fiel escudeiro da humanidade quando alimentado.

Na umbanda chama-se de Exu as entidades, masculinas e femininas (Bombogiras ou pomba-gira) que executam trabalho específico prendendo, resgatando, direcionando e / ou libertando nos umbrais mais densos espíritos trevosos, desfazendo trabalho de magias negativas,desvitalizando e vitalizando em todos os seus setes sentidos, sendo assim o mensageiro de todos os Orixás, o guardião do planeta e de todas suas criaturas.

É comum em função do preconceito, do desconhecimento e , também, por práticas equivocadas por parte de alguns dirigentes associar EXU como uma entidade que faz o bem e o mal, conforme o pedinte, apesar da ambigüidade fazer parte do mistério EXU, na religião Umbanda instituída em 1908 por meio do caboclo das 7 encruzilhadas anunciada pelo saudoso mestre Zélio Fernandino de Moraes que traz como bandeira de princípio a manifestação do espírito para a prática da caridade e o respeito divino pelo livre-arbítrio, portanto, voltada para o bem! Cabe assim os sacerdotes leais a esses princípios esclarecer o incauto que busca seus templos para amarrar, prejudicar e interferir no livre-arbítrio que os trabalhos na Umbanda, assim como a missa católica é um culto, porém ritualístico para a prática caritativa, cura e libertação.

Assim como bem observou Alexandre Cumino no documentário, quem faz o mal é o ser humano, a entidade EXU é muito popular sendo facilmente usada por qualquer embusteiro que se arroga a fazer de religiões magísticas um mercado para realização de desejos egóicos humanos, se existe oferta é porque certamente há procura, e indubitavelmente, a entidade que está a trabalhar nesse embuste não é EXU DE LEI e sim qualquer espírito de espelho na linguagem kardecista ou quiumba das mais pesadas fazendo seus sinistros acordos, comprometendo tanto a vida do mago embusteiro quanto do desesperado cliente.

É importante registrar, também, nessa missiva de esclarecimento sobre o mistério EXU aos meus nobres leitores como se procede às oferendas para essa divindade na UMBANDA as quais não envolvem sacrifício animal, pois a prática do sacrifício não faz parte do fundamento dessa religião, a UMBANDA anunciada por Zélio Fernandino de Moraes não praticava sacrifício de animal,assim como os seus leais famosos seguidores em suas variadas vertentes, das esotéricas á xamânicas, a citar o saudoso W.W. Da  Matta e Silva (Mestre Ypacani) ,Rubem Sareceni, mais recentemente Alexandre Cumino e a umbanda praticada num dos terreiros mais famosos do Brasil, o terreiro do Pai Maneco instituído pelo saudoso Pai Fernando em Curitiba.

Contudo, reconhecemos ser de fundamental importância para o diálogo com a alteridade, diversidade e respeito para com culturas milenares a pluralidade de se fazer umbanda após o ano de 1908 marco de nascimento dessa religião, após essa data, de forma mais expansiva, cada templo direciona suas práticas e fundamentos ritualísticos, conforme a vertente que mais conduz seu espaço religioso. Sendo uma religião plural a qual reúne elementos de diversas culturas religiosas, o que irá refletir num direcionamento mais intenso para determinada linha dependendo de quem os dirigi,ou seja, há segmentos de umbanda de Norte á Sul do Brasil que são mais africanistas, alguns mais kardecistas , outros mais esotéricos e assim sucessivamente.

Aqueles terreiros que direcionam suas linhas de trabalhos assentados numa vertente mais africana ficou conhecido no Brasil como umbanda Omolokô tendo como seu expoente o pai de santo Tancredo da Silva Pinto, Tatá Ti inkice. Alguns também chamam de umbanda trançada ou umbadoblé, nesses templos mesmo de forma mais reservada se pratica o sacrifício de animal o que em nenhum momento tira o mérito da iluminação e fé que envolve esses terreiros.

Por fim, desejo no dia de hoje e sempre a reflexão a todos aqueles buscadores do conhecimento seja acadêmico e/ ou espiritual, sobretudo, aqueles que comungam na comunicação com as emanações divinas e entidades sagradas que envolvem a Umbanda a abrir suas mentes no respeito à diversidade dos caminhos em se conectar com o D`us, pois qualquer fala ou texto postado em rede social ou outra via pública que ataca, distorce, manipula e persegue a cultura do outro não é mais tocado pela tolerância e unidade dos povos, muito menos da boa fé e sim de uma fé cega, contudo uma faca desamolada e contaminada pela praga do fanatismo, raiz da banalidade do mal.

E para todos aqueles que cultuam e alimentam EXU em suas vidas [independente de “igrejas”]  a certeza da proteção, caminhos abertos e a firmeza de um amor verdadeiro.

LAROIÊ EXU, ALUVIÁ AS BOMBOGIRAS!

Abaixo o link documentário " O que é umbanda"?

www.youtube.com/watch?v=XAZY4scRm10

 

Tópico: EXU E A UMBANDA

Nenhum comentário foi encontrado.

Novo comentário